fbpx

Radar Setorial: carga de energia tem previsão de crescimento de 0,7% em junho

A carga de energia do Sistema Interligado Nacional (SIN) deve ter aumento de 0,7% em comparação ao mês de junho do ano passado, alcançando 67.218 MW médios, aponta o boletim do Programa Mensal de Operação (PMO), elaborado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). O índice positivo é esperado em todas as regiões.

A região Sudeste/Centro-Oeste apresentará aumento de 0,1%, com o total de 38.256 MW médios. O Sul tem ascensão prevista de 0,3%, com 11.673 MW médios, enquanto o Norte tem uma variação de mais 1,5%, com 6.041 MW médios, no comparativo anual. O maior aumento de carga esperado, entre os subsistemas, é no Nordeste, com a previsão de avanço de 3,0% e 11.248 MW médios.

Reservatórios próximos a 100%

O PMO também prevê que, ao final de junho, o nível dos reservatórios de três subsistemas estará próximo a 100%. O Norte deve chegar a 99,1% de capacidade de armazenamento no dia 30 de junho. Na mesma data, espera-se o Sul em 93,9% e o Nordeste em 92%. A reserva estimada no subsistema Sudeste/Centro-Oeste será de 66,1%.

O ONS prevê também maiores índices de afluências – chuva que cai nos reservatórios das usinas – em relação à previsão do informativo anterior. No Sul, o volume previsto de água segue superior à média e deve atingir 190% da Média de Longo Termo (MLT). No Norte, a MLT deverá ser de 76%, enquanto no Sudeste/Centro-Oeste de 72% da MLT. Já na região Nordeste estima-se 63% da MLT.

Aneel mantém bandeira verde em junho

A bandeira tarifária para o mês de junho seguirá verde para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN), informou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Essa bandeira indica condições favoráveis de geração de energia e não inclui cobranças adicionais na conta de luz.

Eletrobras registra oferta de ações na CVM

A Eletrobras informou na sexta-feira (27/05) ter arquivado junto a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) os documentos necessários para dar andamento ao processo de capitalização da companhia. O modelo prevê que serão emitidas ações para entrada de novos investidores, diluindo assim o capital da empresa até que a fatia da União seja de, no máximo, 45%. A operação será concluída com um leilão na Bolsa de Valores brasileira (B3), ainda sem data prevista.

Decreto avança desestatização da PPSA

O Decreto 11.085/2022, publicado pelo governo federal na sexta-feira (27/05), qualificou ao Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) a Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA), empresa responsável por comercializar o óleo e o gás extraídos da camada pré-sal.

A medida também criou o Comitê Interministerial, que terá como objetivo elaborar os estudos e mapear as rotas para a desestatização da empresa e dos ativos sob sua gestão.

Fonte: Portal Solar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.