fbpx

Mercado solar brasileiro investe em soluções de armazenamento de energia

Avanço da regulamentação e potencial de aplicações em sistemas fotovoltaicos on e off-grid trazem perspectiva de desenvolvimento de negócios no País

O mercado solar brasileiro está investindo em soluções de armazenamento de energia. Com perspectiva de avanços regulatórios, empresas miram oportunidades em diversos segmentos, como o residencial e o agronegócio, em aplicações on e off-grid.

 A You.On Energia, especializada em sistemas de armazenamento de energia, lançou uma solução de armazenamento de energia em baterias para o mercado do agronegócio brasileiro, no intuito de reforçar a segurança e o suprimento de eletricidade e garantir maior competitividade aos produtores rurais.

A empresa firmou parceria com a Atria Eenergy, especializada em projetos fotovoltaicos, para a combinação do sistema de baterias com a geração de energia solar, focando na eletrificação dos pivôs de irrigação e demais processos agrícolas. O excedente de energia gerado pela usina solar é armazenado no sistema de baterias ficando disponível em momentos de intermitência, como o período noturno.

A solução é especialmente interessante para atividades que fazem uso intensivo de energia, como refrigeração de carnes, leite e outros produtos, regulação de temperatura para a produção de aves e frangos, além de aplicações para iluminação, cercas elétricas, sistemas de telecomunicação, monitoramento da propriedade rural, entre outras.

“Como um dos principais insumos da atividade produtiva rural é a energia elétrica, o uso de baterias combinadas com energia solar nas fazendas é uma das grandes soluções para elevar ainda mais a qualidade e a sustentabilidade do manejo agrícola e pecuário no Brasil”, comentou o CEO da You.On Energia, Giorgio Seigne.

Clientes on e off-grid

A GreenYellow e a NewCharge selaram um acordo de parceria com o objetivo de disponibilizar no Brasil soluções em armazenamento de energia no modelo de “energy as a service”. As duas empresas vão trabalhar juntas no desenho de ofertas com foco em clientes comerciais e industriais, agronegócio e mineração.

O objetivo é apresentar ao mercado soluções para clientes on-grid e off-grid, com a possibilidade de combinar o armazenamento com outras soluções já fornecidas pela GreenYellow, como a energia solar fotovoltaica e eficiência energética.

Entre as principais aplicações que serão prospectadas para clientes on-grid estão o deslocamento do consumo de energia fornecida pela distribuidora para momentos quando ela é mais barata, reduzindo o valor da conta de luz; o uso do sistema de armazenamento para reduzir a demanda contratada com a distribuidora, e o fornecimento energia em momentos de queda da rede elétrica.

No caso dos clientes off-grid, ou sistemas isolados, as empresas buscarão atuar no uso conjunto da geração solar fotovoltaica com armazenamento, reduzindo ao máximo o uso do diesel e, consequentemente, da pegada de carbono das empresas.

Regulamentação dos equipamentos

No final de março, o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) aprovou a regulamentação técnica para sistemas de armazenamento para uso em instalações de energia solar.

A portaria Nº 140/2022, publicada no Diário Oficial da União de quarta-feira (30/03), ampliou o número de equipamentos fotovoltaicos que passarão a ser avaliados para receber o selo de qualidade e segurança do instituto.

Com a atualização da regulamentação, foram aprimorados requisitos e incluídos mais modelos, incluindo baterias, inversores, módulos e controladores. Entre as novidades, estão os inversores híbridos, utilizados em sistemas on-grid com baterias.

Esses equipamentos viabilizam a continuidade do uso da geração fotovoltaica em um momento de interrupção do fornecimento de energia pela rede de distribuição.Antes da publicação da portaria, esse tipo de sistema não possuía nenhum tipo de regulamentação.

“Agora os usuários terão segurança em comprar equipamentos que possibilitem o armazenamento de energia por baterias híbridas ou de lítio, por exemplo. É um grande avanço para nos aproximar cada vez mais do aumento de geração de energia por fontes renováveis”, destacou o gerente comercial da Unicoba, Caio Lentini.

O executivo também avalia que, com a medida, o setor solar passa a contar com mais segurança. “As baterias de lítio ferro fosfato fabricadas pela Unicoba sempre foram produzidas para ter vida útil de até 6000 ciclos de carga e descarga e trabalhar com temperaturas de até 60ºC”, detalhou.

“Caso a rede elétrica apresente uma oscilação, os sistemas fotovoltaicos com baterias ajudam a estabilizar a rede e manter o atendimento ao consumidor. Agora, todas as fabricantes que atuam no país também têm que seguir a mesma exigência”, afirmou Lentini.

A regulamentação dos sistemas de armazenamento de energia também está incluída na agenda da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Em um evento no final de 2021, o diretor-geral da reguladora, André Pepitone, chegou a declarar que “2022 será o ano das baterias.”

Fonte: Portal Solar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.